Como declarar distribuição de lucros de sócios com isenção de IR no Simples

Compartilhe nas redes!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Por Valdir Amorim – Colunista do UOL
De acordo com o Código Civil, os sócios participam dos lucros e das perdas da empresa na proporção das respectivas quotas, com ressalva na hipótese de estar previsto o contrário em contrato. Porém, vale ressaltar que será nula de pleno direito a estipulação contratual que excluir qualquer sócio de participar dos lucros e das perdas.
É importante atentar que a legislação societária vigente também prescreve que a distribuição de lucros ilícitos ou fictícios acarreta responsabilidade solidária dos administradores que a realizarem e dos sócios que os receberem, conhecendo ou devendo conhecer-lhes a ilegitimidade.
Para efeitos do Simples Nacional, a distribuição de lucros com isenção, ao titular ou sócio de microempresa (ME) ou empresa de pequeno porte (EPP) optante por esse sistema, encontra respaldo legal na Lei Complementar nº 123/2006, art. 14, e na Resolução CGSN nº 94/2011, art. 131.
Os valores efetivamente pagos ou distribuídos ao titular ou sócio de ME ou de EPP optante pelo regime do Simples Nacional, salvo os que corresponderem a pró-labore, aluguéis ou serviços prestados, são isentos do imposto de renda na Fonte e na declaração de ajuste anual do beneficiário.
Essa isenção está limitada ao valor resultante da aplicação dos percentuais sobre a receita bruta mensal (veja lista abaixo), no caso de antecipação de fonte, ou sobre a receita bruta total anual, tratando-se de declaração de ajuste, subtraído do valor devido na forma do Simples Nacional no período, relativo ao IRPJ (Imposto de Renda Pessoa Jurídica):
Percentuais por atividades
1,6% Revenda, para consumo, de combustível derivado de petróleo, álcool etílico carburante e gás natural
8% Prestação de serviços de transporte de cargas
16% Prestação de serviços de transporte municipal de passageiros
32% Prestação de serviços em geral
8% Demais atividades
Esse limite não se aplica no caso de a pessoa jurídica manter escrituração contábil e esta evidenciar lucro superior. É importante também a elaboração por sistema de contabilidade, ainda que não seja para a demonstração da apuração de tributos, mas para efeito de controle e comprovação da sistemática societária, gerencial e falimentar.
Exemplo:
Determinada EPP optante pelo regime do Simples Nacional que exerça a atividade de revenda de mercadorias, enquadrada no Anexo I da Resolução CGSN nº 94/2011, com a redação dada pela Resolução CGSN nº 117/2014, apresentou os seguintes dados:
a) receita bruta do mês: R$ 100.000,00;
b) receita bruta nos últimos 12 meses (para efeito de determinação da alíquota aplicável no cálculo dos tributos e contribuições devido no Simples Nacional): R$ 1.200.000,00;
c) IRPJ devido no regime do Simples Nacional: R$ 390,00;
d) valor do lucro presumido: R$ 8.000,00 (R$ 100.000,00 x 8%);
e) valor a ser distribuído com isenção do IRRF: R$ 7.610,00 (R$ 8.000,00 – R$ 390,00);
A isenção na forma exemplificada é aplicada em relação à legislação do Imposto de Renda, não alcançando a legislação previdenciária, pois nesta última serão exigidos, como comprovação de lucro, o apurado de forma regular, nos moldes do art. 1.179, e seguintes do Código Civil Brasileiro (Lei nº 10.406/2002).
No caso de os valores pagos ao titular ou sócio de ME ou EPP serem superiores ao comprovado pela presunção de lucro, conforme o exemplo, ou além do evidenciado na escrituração contábil, deverão ser oferecidos à tributação, mediante a aplicação da Tabela Progressiva Mensal, cujas alíquotas variam de 7,5%, 15%, 22,5% e 27,5%, dependendo do enquadramento.
Fonte: Uol – 26/11/2015

Compartilhe nas redes:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Posts Relacionados

O Segredo Para Conquistar Mais Clientes Em Sua Prestadora De Servicos Blog (1) - Contabilidade no Rio de Janeiro

Como conquistar bons clientes para a sua prestadora de serviços

Descubra como conquistar novos clientes Melhore a sua lucratividade conquistando novos clientes de forma eficiente A realidade atual não está nada fácil para prestadores de serviços. Além da pandemia, que afastou os clientes de forma presencial, a concorrência cresce a

Recomendado só para você
POR RENATO CARBONARI IBELLI Os comerciantes têm pouco mais de…
Cresta Posts Box by CP
Back To Top