O presidente vetou os benefícios às empresas optantes do Supersimples

Compartilhe nas redes!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Ao ser alertado sobre a exclusão na medida provisória 783, presidente Michel Temer havia prometido estudar uma solução

compatível para o segmento da micro e pequenas empresas

Brasília – Deputados da oposição e da base aliada, que integram a Frente Parlamentar da Micro e Pequena Empresa, vão cobrar do

governo o cumprimento de promessas antigas em relação ao texto da medida provisória 783, a MP do Refis, que trata do programa

de renegociação de débitos fiscais e foi sancionada na quarta-feira (24).

De acordo com o texto publicado na edição de ontem (25) do Diário Oficial da União, o presidente Michel Temer vetou os benefícios

às empresas optantes do Supersimples.Para aumentar a pressão parlamentar, o presidente da Frente, deputado Jorginho Mello (PRPR),

(FOTO) anunciou ontem (25) que vai trabalhar para derrubar o veto presidencial. “O governo atende os grandes e esquece dos

pequenos”, disse Mello ao DCI. “O Temer seguiu a orientação da Receita.”

Para justificar o veto, a assessoria do Ministério da Fazenda alegou que a medida somente poderia ser feita via projeto de lei

complementar. Isso é exigido porque a cesta de oito tributos inseridos no Supersimples inclui um municipal (Imposto Sobre

Serviços) e outro estadual (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

A Frente aponta que apenas os tributos federais do Supersimples seriam incluídos no Refis. A lei do novo Refis garantiu aos aliados,

antes da votação da segunda denúncia, realizada ontem (25), benefícios no parcelamento de dívidas em até 145 meses, com

descontos de até 90% em multas e juros, para as médias e grandes empresas.

Há também, ainda em estudo, a possibilidade de a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) mover ação no Supremo Tribunal Federal

(STF) exigindo a extensão do Refis para as empresas do Supersimples.

Promessa

Em evento no Palácio do Planalto para comemorar o Dia da Micro e Pequena Empresa, no dia 5, Temer prometera estudar uma

solução para o segmento, ao ser alertado sobre a exclusão do Supersimples da MP 783. A extensão do Refis atenderia 550 mil micro

e pequenas empresas ameaçadas de exclusão do regime especial do Supersimples, que reduz a carga fiscal em 40%. Elas devem um

valor de R$ 27 bilhões à Receita Federal.

A Frente reúne uma das maiores bancadas do Congresso, com 388 dos 513 deputados e 33 dos 81 senadores. Desde 2006, quando

foi promulgada a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, com a criação do Supersimples, a bancada já aprovou oito alterações na

legislação por meio da aprovação de leis complementares.

Lei Geral e MEIs

Um novo Refis para as micro e pequenas empresas também estará previsto na nova atualização da Lei Geral do segmento a ser

apresentado em novembro pelo relator da matéria, deputado Otávio Leite (PSDB-RJ). “A Constituição prevê tratamento

diferenciado para os pequenos negócios e não para as grandes empresas”, comparou Leite, referindo aos artigos que estabelecem

mais incentivos por parte do poder público aos empreendedores de pequenos negócios. O relator disse ao DCI que está avaliando a

inclusão de dispositivo na nova Lei Geral para criar um Refis aos microempreendedores individuais (MEIs).

No mesmo dia em que o presidente Temer assinou a lei do novo Refis para médias e grandes empresas, o governo anunciou que

poderá cassar os CNPJs de 1,4 milhão de inscritos como MEis, atualmente a maior categoria empresarial do país. Os CNPJs deles

foram suspensos por 30 dias por dívidas e declarações em atraso.

Se efetivada, a medida poderá cancelar o registro de quase 20% do total de 7,435 milhões de MEIs inscritos no Portal do

Empreendedor desde 2009, quando começou a funcionar o sistema de registro on-line da categoria. Grande parte dos MEIs reúne

trabalhadores por conta própria que antes estavam concentrados na chamada economia informal.

O Comitê para Gestão da Rede Nacional para Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios (CGSIM) divulgou a

listagem de MEI com Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) suspensos por 30 dias.

Trabalho escravo A bancada ruralista, que reúne cerca de 200 deputados favoráveis a Temer, também vai cobrar do presidente uma solução para

repor a portaria assinada na semana passada pelo ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, que dificultou a fiscalização do trabalho

escravo. Na terça (24), a ministra Rosa Weber, do STF, suspendeu a portaria, até julgamento do mérito pleno da Corte.

Ela entende que a portaria fere a dignidade humana ao deixar de caracterizar como trabalho escravo condições degradantes e

jornada exaustiva.

Ontem, o Ministério Público do Trabalho também apresentou decisão contra a portaria determinando à pasta a divulgação da “lista

suja”.

Fonte: DCI – SP (26/10/2017).

Compartilhe nas redes:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Posts Relacionados

Encontre O Regime Tributario Ideal Para Sua Prestadora De Servicos Blog - Contabilidade no Rio de Janeiro

Regime tributário: qual o ideal para prestadores de serviços

Entenda como garantir o enquadramento no regime tributário ideal para sua grande prestadora de serviços! Saiba como evitar carga tributária excessiva, enquadrando sua prestadora de serviços no regime tributário mais adequado Manter uma prestadora de serviços de grande porte operando

Confira Agora Um Guia Completo De Como Regularizar A Sua Sociedade Blog - Contabilidade no Rio de Janeiro

Legalização de sociedade: como garantir?

Descubra agora o que é preciso para garantir a legalização de sociedade de prestadores de serviços Manter a sua prestadora de serviços em dia é fundamental para continuar no caminho do sucesso e, assim, lucrar muito Abrir uma sociedade certamente

Recomendado só para você
Os contadores são, muitas vezes, descartados na gestão de uma…
Cresta Posts Box by CP
Back To Top