Senado aprova MP que muda tributação de empresas brasileiras no exterior

Compartilhe nas redes!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

O plenário do Senado Federal aprovou nesta terça-feira, 15, a Medida Provisória 627, que trata do lucro das empresas brasileiras no exterior. Também conhecida como MP das Coligadas, a medida traz uma série de mudanças tributárias para multinacionais brasileiras no exterior e reabre o Programa de Recuperação Fiscal (Refis) para alguns setores da economia.

 

O texto aprovado pelos senadores estabelece o prazo de oito anos para as empresas recolherem os tributos que incidirão sobre o lucro no exterior. A primeira parcela deve corresponder a 12,5% do lucro apurado e não distribuído. O restante será diluído ao longo dos oito anos. As empresas que optarem pelo novo regime já deverão aplicá-lo no Balanço do primeiro trimestre. As novas regras na tributação de controladas e coligadas foram propostas na intenção de resolver impasse judicial de mais de uma década.

 

Durante os debates, senadores da base aliada e da oposição criticaram as emendas apresentadas durante a tramitação do projeto. A principal queixa deles diz respeito à emenda que reduz as multas aplicadas às operadoras de planos de saúde. Alguns parlamentares apresentaram emendas supressivas, mas foram rejeitadas. O relator revisor da MP, senador Romero Jucá (PMDB/RR) argumentou que, se o texto fosse alterado, com a supressão de alguns artigos, teria que voltar para a Câmara dos Deputados. Como não há mais prazo para uma nova apreciação pelos deputados, a MP perderia a validade. Jucá disse que, no mérito, há o compromisso de a presidente Dilma Rousseff vetar os artigos que não têm concordância.

 

O senador Randolfe Rodrigues (Psol/AP) criticou as emendas que classificou de “verdadeira piada” e solicitou a verificação de quórum. Segundo ele, o Psol não via nenhuma razoabilidade na sua aprovação. O pedido foi rejeitado porque Randolfe não conseguiu o apoio mínimo, exigido no regimento da Casa, de outros senadores.

 

O presidente do DEM, José Agripino Maia (RN) afirmou que o relator-revisor, Romero Jucá (PMDB-RR), operou o “milagre da negociação” ao obter o compromisso de veto da presidente Dilma Rousseff. “Votação de uma medida provisória com os penduricalhos que ela traz eu acho que é campeonato nacional de brincadeira com o Congresso Nacional”, criticou.

 

O senador Álvaro Dias (PSDB/PR) afirmou que os penduricalhos são indesejáveis, mas que a MP traz avanços na legislação sobre o lucro das empresas no exterior. “Somos contra os penduricalhos, mas ouvimos o compromisso de veto da presidente”, afirmou Dias. O senador Ricardo Ferraço (PMDB/ES) chamou as emendas de “jabuti” e “absurdos” que foram incorporados à MP. Mas afirmou ter confiança no veto de Dilma.

 

“Estamos aqui para defender os interesses da população brasileira”, afirmou a senadora Vanessa Grazziotin (PcdoB-AM). “Felizmente a sensibilidade da presidente da República sinalizou para as lideranças o veto do artigo 101, o mais polêmico”, disse a senadora Ana Amélia (PP-RS), referindo-se à emenda do plano de saúde.

 

Jucá disse que o governo deve vetar seis pontos: os artigos que tratam das multas dos planos de saúde, que trata da redefinição do regime de aeroportos (aeródromos civis), o que dá redução de PIS e Cofins para escritórios de advocacia, o que prorroga benefícios para o setor automotivo no Centro-Oeste, o que dá incentivo para fabricação de pneus na Zona Franca de Manaus e o que amplia o Refis da Crise.

 

O líder do governo no senado, Eduardo Braga (PMDB/AM), disse que, além da recomendação de veto da equipe econômica, há também a manifestação da Casa Civil. “Esses itens aqui relatados serão vetados, mas se não votarmos esta medida provisória hoje causaremos um grande prejuízo para a economia”, disse.

Fonte: Fenacon

 

Compartilhe nas redes:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Veja também

Posts Relacionados

Encontre O Regime Tributario Ideal Para Sua Prestadora De Servicos Blog - Contabilidade no Rio de Janeiro

Regime tributário: qual o ideal para prestadores de serviços

Entenda como garantir o enquadramento no regime tributário ideal para sua grande prestadora de serviços! Saiba como evitar carga tributária excessiva, enquadrando sua prestadora de serviços no regime tributário mais adequado Manter uma prestadora de serviços de grande porte operando

Confira Agora Um Guia Completo De Como Regularizar A Sua Sociedade Blog - Contabilidade no Rio de Janeiro

Legalização de sociedade: como garantir?

Descubra agora o que é preciso para garantir a legalização de sociedade de prestadores de serviços Manter a sua prestadora de serviços em dia é fundamental para continuar no caminho do sucesso e, assim, lucrar muito Abrir uma sociedade certamente

Recomendado só para você
O plenário do Senado Federal aprovou nesta terça-feira, 15, a…
Cresta Posts Box by CP
Back To Top

Está buscando por uma oportunidade de estagio na área contábil?

A Somat tem uma oportunidade incrível para você!

Conheça o nosso programa de estágio e venha fazer parte da Geração Somar. 

Basta você acessar o link e inscrever-se: 

Será um prazer ter você em nossa equipe!

Somar + Min - Contabilidade no Rio de Janeiro